18 de nov de 2011

Internato - Capitulo Três


Um jovem de descendência mista entra em um colégio interno de prestígio na década de 1950. Ajustar a essa nova vida não poderia ser mais difícil do que ele imaginou... Por muitas razões!



Capítulo três

Ryo olhou para o menino de cabelos escuros com descrença. Ele podia dizer que outro garoto estava tão surpreso quanto ele, mas ele ainda estava lá sorrindo. Ryo queria estrangulá-lo ali mesmo. Mas com o olhar no rosto do diretor, ele pensou que o homem mais velho faria isso por ele.

"Senhores, se vocês me dão licença," o diretor disse para os outros membros do corpo docente, quando se levantou da mesa. “Rapazes, meu escritório, agora!" Ele disse severamente, empurrando-os todos à sua frente através da porta. Não foi até que a porta foi fechada atrás deles, cerrando a luz, que Ryo percebeu que ele poderia receber um remo, antes mesmo de até conseguir passar por um dia inteiro. Tanto para tornar sua família orgulhosa.
Ele emburrou pelo corredor, ignorando o apologético olhar de cachorrinho, que o menino de olhos verdes jade enviou em sua direção. Ele estava zangado demais para lidar com isso. E com mais raiva de si mesmo do que de ninguém. Se ao menos ele não tivesse adormecido, ou se ele tivesse apenas ido direto para o salão de jantar, sem ter o conselho estúpido dos outros meninos, então talvez ele não estivesse nessa confusão.
O garoto de cabelos louros  levantou os olhos, para ver o diretor abrir a porta de seu escritório com um creeeak sinistro. Mantendo a cabeça baixa, Ryo afundou em uma das cadeiras de espaldar alto, à espera do inevitável. Seu corpo inteiro falou da tensão correndo por ele. Suas pernas estavam reunidas, e sua cabeça estava inclinada para baixo, olhando para as mãos cuidadosamente dobradas em seu colo. Laytner e Aaron simplesmente caíram nas cadeiras restantes, uma queda com descortesia óbvia.
Ryo ouviu o clique da porta fechada com finalização. Como um prego no caixão, Ryo pensou dramaticamente. Sua mente imaginativa já estava prevendo a corrupção de sua carreira escolar inteira, com base neste único momento.
A marca verha em seu arquivo permanente no primeiro dia. Tinha que ser algum tipo de recorde.
"Vocês vão se sentar em atenção!" O diretor gritou a Laytner e Aaron. Quando o menino de cabelos escuros não cumpriu, Ryo viu o homem mais velho, de repente atacar as mãos do menino com uma régua longa, ele ainda não tinha visto que ele carregava. O loiro  viu o outro rapaz estremecer, mas ele nunca fez um som. Ryo decidiu que se ele tinha que enfrentar o castigo corporal, ele teria que pelo menos tentar ser tão corajoso. Com esse pensamento em mente, ele levantou os olhos para atender o diretor e enfrentar seu julgamento.
"Então, quem quer me dizer o que aconteceu?" O homem perguntou, segurando a régua entre as mãos.
Ninguém falou. Não era que Ryo estivesse tentando ser deliberadamente provocador, ele só não sabia como se explicar.
"Sr. Laytner, você parece sempre tão ansioso para falar. Por que você não nos diz?" O diretor pressionou.
O menino se mexeu inquieto, em seguida, disse em um tom ameaçador: "Nós estávamos atrasados​​, isso é tudo."
"Sério? E entrou pela porta de trás da escola?"
Ryo ouviu um grunhido quase inaudível de Laytner e depois uma ingestão acentuada de ar quando os nós dos dedos foram batidos mais uma vez.
"Cuidados para elaborar?" Perguntou o diretor.
O silêncio que se seguiu era insuportável, e Ryo viu-se dizendo: "Pedi-lhes para me ajudar, então eu suponho que é o meu fa... "
"Não dê ouvidos a ele!" Laytner interrompeu, voltando-se para Ryo para enviar-lhe um olhar de advertência. "Nós fizemos ele se atrasar e, em seguida, forçamos a vir conosco." Disse ele.
"É verdade, Sr. MacLain?" O homem perguntou seus olhos comprimidos sobre o pobre rapaz.
Antes que ele pudesse responder Laytner pressionou. "Não pergunte ao garoto novo, ele provavelmente vai tentar ser todo nobre, fazendo um pouco de BS que é tudo culpa dele. Foi ideia minha, certo?"
"E a porta da escola?"
"Um erro." Ele respondeu simplesmente.
O diretor acenou com a mão em um movimento de desprezo. "Muito bem. Se você insiste em ser o único culpado, eu sou mais do que feliz em favorecer você. Além disso," acrescentou, "eu tenho certeza que isto não está longe da verdade."
Laytner não retrucou.
"Sr. Laytner, uma vez que você se sente tão generoso hoje, você vai ter cinco palmadas. Sr. Chanter, você receberá duas, e Sr. MacLain, você vai assistir para que saiba o que esperar, se você se permitir cair com uma turma tão ruim de novo." Fez uma pausa e olhou para o loiro . “Não espere mais escapar de punições depois deste momento. Você compreendeu?"
Ryo acenou com a cabeça vigorosamente.
"Bem, Sr. Laytner, estamos esperando." Disse o homem mais velho quando se voltou para o moreno rebelde, cujos olhos verdes jades estavam queimando. Mas o menino obedeceu. Ryo ficou olhando enquanto o outro rapaz se inclinou sobre a mesa do Mestre, colocando suas mãos planas na madeira desaparecida.

Sem mais palavras, o homem pegou uma pá grande de madeira, perfurada com vários buracos, e ficou prostrado atrás do garoto.
Então... THWAK!
A madeira se chocou com o menino de cabelos escuros por trás. O homem não se conteve, e Ryo estremeceu toda vez que o diretor fez contato com o corpo do outro garoto. Embora Ryo soubesse que a dor tinha de ser considerável, de alguma forma o garoto se manteve de gritar, mas com cada golpe que ele podia ouvir, o ar forçado saia de seus pulmões pela força do golpe.
Laytner depois se sentou um tanto rigidamente, e foi à vez de Aaron. Ele não escondeu sua dor tão bem, e Ryo estava cheio de culpa sobre seus espancamentos.
"Tenham uma boa noite, meninos." O Diretor disse, e eles saíram.
Os três jovens caminharam lentamente de volta para os dormitórios. Ryo queria agradecê-los, mas ele não sabia como. Ele sentia que suas palavras seriam muito inadequadas. Então ele apenas seguia em silêncio.
"Bem, isso não foi tão ruim... Eu acho que o velho Martin está perdendo o seu toque!" O menino de cabelos escuros disse, quando ele tentou andar sem pestanejar.
Aaron riu, dizendo: "Ele está provavelmente tentando não se esforçar para que não vá perder mais cabelo! Essa sua cabeça careca está ficando tão brilhante, que eu juro que posso ver meu próprio reflexo!"
Rindo, os meninos se arrastavam para baixo, Aaron com o braço ao redor da cintura de Dee, e Laytner com o braço pendurado sobre o ombro de Aaron, cada um ajudando o outro. Os dois pararam em uma das portas do dormitório, e Ryo viu quando Aaron abriu a porta com suas chaves e entrou. O outro menino pendurou de volta por um momento.
Ryo aproveitou a oportunidade para dizer. "Ei, um, obrigado..." Ele observou enquanto aqueles olhos verdes jade profundos olharam de volta para ele, e o menino dividiu o rosto em um sorriso.
Com uma risada o menino de cabelos escuros perguntou: "Qual é o seu nome, garoto novo?"
Ryo piscou. "MacLain... Randy MacLain."
O homem jovem de cabelos louros  sentiu o olhar capturá-lo e ele não conseguia desviar os olhos. Novamente, ele sentiu seu rosto começar a crescer em rubor.
"Bem, Randy, sou Dee e eu vou te dar uma dica sobre esse lugar." Disse ele, dando um passo mais perto dele. "Ninguém recebe nada de graça... Eu vou pegar meu pagamento posterior." Disse ele com uma piscadela. A insinuação era pequena, mas ainda enviou a pele de Ryo em um tom verho brilhante.
Pouco antes de Dee fechar a porta, ele disse a um estupefato Ryo: "Você fica bonito quando ruboriza, você sabia disso?"
Por alguns momentos o menino loiro  só ficou lá no corredor, imaginando o que tinha acontecido. Então ele fez o seu caminho de volta para seu próprio quarto, mas achou que não seria muito fácil pegar no sono naquela noite.


                                                                      Continua... 

2 comentários:

  1. Meninas, adorei, o negócio tá começando a ficar bom. Obrigada!!

    ResponderExcluir
  2. Bem que o professor podia ter mais piedade do pobre Dee rs,rs
    Tadinho embora ele bem que mereceu por ser tão traquinas .rs,rs
    Aguardamos pelo desenrrolar da estória.
    Beijos...
    Boa Leitura!!!

    ResponderExcluir