7 de dez de 2011

Capítulo Seis

 Um jovem de descendência mista entra em um colégio interno de prestígio na década de 1950. Ajustar a essa nova vida não poderia ser mais difícil do que ele imaginou... Por muitas razões!




Capítulo Seis



"Randy, por favor... olhe para mim," disse ele firmemente. Lentamente, Ryo cumpriu. Dee chegou timidamente com a mão, e gentilmente enxugou as lágrimas. "Honestamente, eu sinto muito. Eu não estava pensando. Achei que você estava legal com isso..." Disse, engolindo o nó na garganta. Se ele tivesse que olhar para a dor, naqueles enormes olhos confiantes por mais tempo, ia perdê-lo. "Eu prometo que não vou empurrá-lo nunca mais, ok?" Ele suplicou. Ryo não parecia totalmente convencido, mas a dor atrás dos olhos estava recuando. "Por favor," disse Dee melancolicamente. "Perdoe-me."

O loiro desviou os olhos, mas ele suspirou e finalmente disse em voz baixa. "Está bem."

"Você é o melhor, Randy!" Disse ele, tonto como um cachorro sendo elogiado por seu mestre.

"Ahh!" Ryo gritou, quando Dee saltou para abraçá-lo, mas ele riu. "Certo, certo! Eu disse que você está perdoado. Agora saia!" Disse ele sorrindo e limpando o resto das suas lágrimas.

Dee estava imensamente aliviado ao saber que Ryo não era do tipo que guarda rancor. Ele permaneceu sentado ao lado do loiro na cama, e se estabeleceram em uma posição confortável, um ao lado do outro.

A sala ficou em silêncio entre eles, e Dee ficou com medo de que Ryo de repente fosse dizer que ele tinha de regressar ao seu estudo, tentou pensar em algo para dizer. "Hey Randy," começou ele, olhando intensamente nos olhos do outro garoto, "Seus olhos são como uma sombra linda de castanho escuro. Você é parte japonês por acaso? "

Dee estava totalmente despreparado, para o olhar de espanto que de repente passou pelo rosto de Ryo. O loiro se afastou, e respondeu com a amargura atando suas palavras. "Por quê? Por que você está me perguntando isso?"

"O-o que você quer dizer?" Dee perguntou em troca, perplexo com a reação de Ryo.

Se havia uma coisa que Ryo não queria discutir, era sua herança mista.

"Vamos esquecer isso, ok?" Ryo respondeu com desdém. Moveu-se para levantar da cama, mas Dee pegou seu pulso.

"Eu não quero esquecer." Disse ele firmemente. O loiro sentou silenciosamente. "Eu quero te conhecer." Dee continuou, movendo-se para ajoelhar na frente do outro menino. "Diga-me o que está acontecendo." Ele pressionou.

Ryo manteve os olhos focados em uma das janelas altas. Ele não conseguia olhar para Dee. Sabia que iria dar com aqueles olhos jade investigando-o por respostas. Mesmo sem olhar, ele podia sentir os olhos de Dee penetrando ele.

Sabendo que ele não poderia forçar Ryo a se explicar, Dee simplesmente esperou pacientemente, observando as emoções sendo reproduzidas nas características mais belas do loiro, e se perguntando por que seus olhos estavam se enchendo mais uma vez com lágrimas.

"Randy..." Dee sussurrou, querendo tanto segurá-lo, mas ele se conteve, sabia que ele provavelmente precisava do seu espaço.

"Randy não é meu nome." Disse ele finalmente, suas palavras cortadas.

Os olhos de Dee se arregalaram de surpresa, mas ele o deixou continuar.

"É Ryo," ele disse suavemente, uma lágrima salgada caindo em seu rosto pálido. "É o nome que minha mãe japonesa me deu." Por um longo momento o menino loiro ficou em silêncio, então ele finalmente virou-se para Dee, e encontrou seus olhos. "A guerra não foi há muito tempo, Dee. Você realmente não se lembra como era para os americanos e os japoneses, então?" Perguntou ele.

Sentindo-se como um salto total, Dee deu de ombros. "Eu era uma espécie de absorvido com meu próprio mundo, quando era mais jovem. Eu ouvi algumas coisas como todo mundo, mas..." Ele parou, não tendo certeza se era o momento certo para mergulhar em seu próprio passado, com tons de várias cores.

Ryo enxugou as lágrimas fluindo agora livremente dos seus olhos. "Quando eu tinha uns cinco anos, minha mãe e eu fomos removidos à força de nossa casa, e colocados em um campo de confinamento..." Disse ele.

"O quê?" Dee interrompeu. "Por quê?"

O olhar de Ryo era amargo. "Foi algumas semanas depois do Pearl Harbor." disse ele.

Dee poderia ter chutado a si mesmo. É claro, como ele poderia ter esquecido?

"Meu pai," continuou ele, "era um americano no Exército. Ele e vários outros se recusaram a lutar em protesto contra o tratamento das suas famílias nos campos." Fez uma pausa enquanto lágrimas frescas ameaçaram derramar pelo seu rosto. "Eles foram presos e... meu pai foi morto em um acidente na prisão. Eu realmente nunca descobri o que aconteceu."

Não mais capaz de se conter, Dee estendeu a mão e tomou Ryo em seus braços, embalando-o em seu peito, enquanto sentiu o aguilhão da coceira de lágrimas na parte de trás dos seus próprios olhos. Ele queria dizer a Ryo para parar, que não queria ouvir mais sobre sua dor, que iria quebrar seu coração, mas ele deixou-o seguir.

"Minha mãe e eu estávamos no acampamento por mais de três anos, até o fim da Guerra," ele fez uma pausa, tentando fazer com que as palavras saíssem, e Dee sentiu a tensão do rapaz no corpo inteiro dentro do círculo dos seus braços. "Ela adoeceu durante o ano passado e morreu... antes que fôssemos libertados."

Dee balançou o rapaz esbelto, quando Ryo cedeu aos seus soluços e deixou suas lágrimas se derramarem. O menino de cabelos escuros se sentia terrivelmente inadequado, não tendo nenhuma forma de aliviar as memórias dolorosas do loiro. Tudo o que tinha a oferecer era o seu abraço e seu calor, e esperava que fossem de algum consolo. "Ryo." Ele sussurrou com sentimento.

O loiro sentiu uma sensação inacreditável de calor assaltar seu corpo, quando ouviu seu nome pela primeira vez dos lábios de Dee. Ninguém o havia chamado assim desde que sua mãe tinha morrido, e foi quase como se ela estivesse falando através do outro rapaz, dizendo-lhe que tudo ficaria bem.

"Você está aqui comigo agora, Ryo." Disse Dee, estabelecendo beijos para baixo sobre o seu cabelo dourado. "Eu não vou deixar ninguém te machucar!" Disse com fervor, puxando o menino com força contra ele.

"Dee." O loiro disse calmamente, enquanto ele se aninhava mais para abraçar o menino de cabelos escuros. "Diga isso de novo." Disse ele.

"Eu vou te proteger." Repetiu ele.

"Não." Ryo protestou, levantando a cabeça para olhar nos olhos molhados de lágrimas de Dee, "Meu nome."

Com carinho gentil, o outro menino levantou as mãos para enquadrar a face de Ryo, e sussurrou com paixão, "Ryo." Ele derivou beijos borboleta suave sobre as pálpebras inchadas do menino, ao longo da ponte do seu nariz, e na linha da sua mandíbula, o tempo todo repetindo a sílaba como uma oração sagrada: "Ryo, Ryo, Ryo...."

Quando os lábios de Dee fecharam sobre o seu, Ryo beijou-o de volta com todo o seu coração e, sem um pensamento em sua mente, sussurrou:

"Eu te amo..."

Continua... 
 

Um comentário:

  1. Meninas, cheguei em casa e encontrei essa maravilha! estória linda, muito doce, sempre aguardo ansiosamente! Obrigada a vcs.

    ResponderExcluir