24 de nov de 2011

Capítulo Quatro

Um jovem de descendência mista entra em um colégio interno de prestígio na década de 1950. Ajustar a essa nova vida não poderia ser mais difícil do que ele imaginou... Por muitas razões!


     Capítulo Quatro

Fechando a porta atrás dele, Dee rastejou em sua cama e ficou ali de bruços, disposto com que a dor em sua metade inferior desaparecesse. Ele tocou para refrescar, mas os golpes de remo do Diretor sempre foram particularmente angustiantes, a razão é que o homem mais velho, tinha furado um bilhão de buracos na maldita peça de madeira, fazendo com que o impacto tivesse mais potência.
"Aquele maldito velho!" Dee amaldiçoou olhando para Aaron, deitado na mesma posição prostrado do outro lado do pequeno quarto. "Ele é um fodido masoquista!"
Seu companheiro de quarto apenas riu. "Isso é o que você tem por pegar toda a culpa." Ele lhe disse: "Por que você não deixou que o novo peixe recebesse o golpe?"
Dee deu de ombros. "Ele parecia tão indefeso, como um garotinho." Explicou. "Além disso, foi meio que culpa nossa."
"Culpa nossa!" Gritou Aaron em protesto. "Você foi o único que nos fez esperar o pequeno MacLain, para que pudéssemos provocá-lo ou o que quer que seja! Toda aquela conversa sobre ‘trote da preparatória, ’ e então você o deixa fora sem qualquer culpa! Você poderia ter pelo menos, me defendido também!" O menino reclamou.
"É certo, como se o Diretor Martin teria acreditado que você fosse inocente!" Dee respondeu com um grunhido.
"Bem..." Aaron não podia mais discutir com isso. "Eu só não entendo por que você queria comprar briga com o novo garoto, e depois acabou por defendê-lo." Disse ele.
Novamente, tudo que Dee podia fazer era encolher os ombros. O fato era que ele mesmo não sabia. Ele havia estado em um humor terrível mais cedo naquele dia, e ser censurado pelo Diretor na frente de alguns peixes novos, o irritou ainda mais. Ele tinha visto Randy pelo canto do olho, o cabelo loiro perfeitamente no lugar, o seu novo uniforme recém-engomado. Ele se conectou a ele apenas como preparação, para ser outra dor no seu rabo. Isso foi antes de fazer contato, com aqueles olhos escuros e obscenamente tristes.
Dee tinha deliberadamente se dirigido na direção do rapaz, com a certeza de que o garoto fosse fazer algum comentário inteligente de merda, e dar a ele uma desculpa para surrá-lo mais tarde. Em vez disso, ele olhou para o rosto pálido angelical, e viu aqueles olhos ônix olhando para ele, com uma leve sugestão de um rubor rastejando sobre as maçãs do rosto perfeitamente esculpido. Tinha o irritado, assim que ele tinha feito algum comentário rude e seguiu em frente, determinado a esquecer de todo o incidente.
Porém, à medida que o dia passava, ele descobriu que não conseguia parar esse rosto de flutuar em sua mente. Encontrou-se sentindo culpado por ter sido tão insensível com o menino. Havia algo na maneira como os olhos escuros tinham olhado para ele quando ele disse que o fez estremecer. O loiro parecia quase chocado com suas palavras, embora Dee não conseguisse imaginar o por quê. Não foi um negócio tão grande, mas ele tinha visto a dor enquanto ele ia embora, e sabia que ele era a causa da mesma.

Ainda assim, Dee continuou a se convencer de que ele estava sendo melodramático, e decidiu que poderia ser divertido provocar o novo garoto um pouco mais. Então, ele pediu a ajuda de Aaron e esperou no corredor Randy aparecer, nunca admitindo que talvez ele só quisesse ver aquele rosto bonito novamente.
Dee tinha passado por muita coisa em seus dezesseis anos, e havia construído uma enorme parede em torno de si. Ele era aberto com seus poucos amigos íntimos, mas ninguém mais. Quando ele entrou na escola e se deparou com tantas pessoas de origens tão diferentes da sua, tinha sido difícil. Ele tinha tentado não julgar ninguém, mas depois de ter sido intimidado o suficiente pela preparada classe alta, ele permitiu a alguns de seus próprios preconceitos rédea livres. Ele tinha sido das ruas, um engraxate, e ele tinha desistido de qualquer relação amistosa com os meninos ricos, mauricinhos.
Pelo menos, é o que ele disse a si mesmo enquanto observava Randy tropeçar e cair, depois que ele enfiou o pé para fora no corredor. Ele havia ignorado a pontada estranha de culpa quando ouviu o menino cair no chão. Ele honestamente não achou que ele cairia tão duro.
Quando o menino louro o olhou, com aquelas profundezas escuras ardendo com raiva, Dee encontrou-se novamente surpreso com a reação do outro garoto. Ele havia assumido que Randy iria ou começar a chorar, (como aquele condenável JJ), ou olhar para ele com desprezo óbvio, que muitos dos meninos de classe alta faziam, (desde que Dee era obviamente um engraxate e, portanto, abaixo deles). Randy não tinha feito nada disso. Claro, o menino tinha ficado com raiva, mas seu olhar não tinha nada da condescendência típica dentro dele. Em vez disso, ele olhava plano, chateado, e um pouco além do que a raiva estava à expressão ferida inquietante, que Dee tinha visto antes.
O coração de Dee afundou só de pensar nisso. Ele realmente julgou mal o garoto. Talvez por isso ele assumisse a responsabilidade sobre o 'atalho' trágico para o refeitório. Então, talvez Randy não fosse o preparatório típico, ele admitiu. O que então? Dee suspirou. Seu cérebro estava começando a doer tão mal quanto o seu traseiro! O que quer que suas motivações fossem com relação ao menino, era ainda mais difícil descobrir o que elas deveriam ser. Tinha sido muito fácil provocar o loiro para revelar o rubor novamente, e Dee estava ansioso para conseguir a mesma resposta outra vez.
Deslocando seu peso em uma posição mais confortável, o menino de cabelos escuros decidiu que poderia esperar até amanhã.
   
                                                                       Continua... 

2 comentários:

  1. Bom dia Laura e meninas(os)! gostei muito do cap, pena que acabou rápido! obrigada pela revisão.

    ResponderExcluir
  2. Aguardamos o proximo cap.
    Vamos ver como o Dee vai tirar um rubor do nosso loirinho.rs,rs
    Alguém quer dar ideias?rs,rs
    Obrigado meninas e meninos por mais um cap. revisado.
    Beijos...

    ResponderExcluir