27 de dez de 2011

Capítulo Nove

 Um jovem de descendência mista entra em um colégio interno de prestígio na década de 1950. Ajustar a essa nova vida não poderia ser mais difícil do que ele imaginou... Por muitas razões!


Capítulo Nove




Andando suavemente pelos corredores mal iluminados, Dee fez o seu caminho até a porta de Ryo. Nunca tinha demorado tanto tempo para o 'apagar das luzes' em sua vida. Tudo que o menino de cabelos escuros poderia pensar seriam as últimas palavras do outro garoto antes que eles se afastassem no corredor da escola de Santa Maria: "Eu desejava que nós não tivéssemos que parar."

Maldição, certo!

Dee estava esperando infinitamente que Ryo finalmente se tornasse mais confortável ​​com a intimidade crescente entre eles. Agora que finalmente havia acontecido, Dee ia ter a maldita certeza de que ele aproveitaria a oportunidade. Só de pensar sobre o olhar de saudade nos olhos do loiro quando eles se separaram no início da noite, foi o suficiente para mandar o coração do menino de cabelos negros em uma corrida e as calças de montaria desconfortavelmente apertadas.

Girando a maçaneta do quarto do outro garoto, ele ficou aliviado ao encontrá-la desbloqueada. Ele tinha ficado com medo por um momento que Ryo pudesse ter trancado-a por força do hábito e depois adormecido, ou então mudado de ideia.

Depois de vê-los juntos, Drake tinha insultado Ryo e Dee sem piedade sobre a garagem de ônibus. Ted logo se juntou a nós e entre os dois, Ryo ficou vermelho brilhante dentro de cinco minutos. Aaron tinha permanecido estranhamente quieto. Felizmente, os outros dois meninos tornaram-se preocupados com seus próprios planos de fugir naquela noite e se encontrarem com as meninas com quem tinham estado dançando, tanto que eles finalmente deixaram Dee e o corado e desconfortável Ryo sozinho.

Mesmo assim, Dee não achou provável que o loiro desse para trás, mas tais pensamentos ainda provocavam sua mente em seu estado ansioso. Ele não achava que seria capaz de esperar um minuto mais do que já tinha, agora que ele sabia que Ryo estava disposto a estar fisicamente com ele. Se a porta estivesse trancada, o menino de cabelos escuros, provavelmente, teria recorrido a algumas das técnicas de arrombar fechaduras que ele aprendeu quando era mais jovem e constantemente à procura de problemas.

"Eu nunca fiz isso antes," confessou em um sussurro quase inaudível. "Com ninguém," acrescentou, enfatizando a última palavra.

A concupiscência dos olhos de Dee amoleceu, substituído por outra coisa tão forte, um novo desejo tingido com preocupação. Ele sabia que Ryo era inexperiente e agora ele sabia que não era só que ele nunca tinha estado com outro rapaz antes. Ele não tinha estado com meninas também. Não que isso fosse uma notícia inesperada, mas ouvir a confissão tão calmamente dos lábios trêmulos do loiro atingiu o coração de Dee com uma pontada súbita de ternura e proteção para com o outro menino.

Dee viu a pergunta não formulada no olhar melancólico de Ryo. Ele sabia que o outro rapaz estava pensando o quão experiente ele era, e Dee não achava que fosse apropriado contar-lhe sobre suas várias escapadas. Elas eram irrelevantes agora de qualquer forma, tudo o que importava para ele era o menino magro em seus braços. Tanto quanto lhe dizia respeito, nunca havia estado realmente mais ninguém, porque ninguém havia tocado o seu coração a maneira Ryo tinha.

Enquadrando o rosto do loiro em suas mãos, Dee olhou para ele com um olhar de sentimento e desejo tão intensos que quase trouxe lágrimas aos olhos escuros de Ryo.

"O passado não importa, Ryo," Dee assegurou-lhe. "É somente nós dois aqui, agora." Disse ele amorosamente. Ryo balançou a cabeça, mas o menino de cabelos escuros percebeu que as palavras não foram suficientes. Era hora de mostrar ao loiro como se sentia.

"Ryo," ele disse suavemente quando baixou os lábios para encostá-los em uma leve carícia contra a boca do outro garoto. "Quero você," ele disse simplesmente. Então ele perguntou: "Você me quer?"

Os olhos do menino estavam fechados, sua respiração pesada sob os lábios provocando Dee. Ele nunca tinha sentido tal necessidade, ávido de montagem antes, e tanto assustando e emocionando ele. "Quero você," ele gemeu, elevando os braços para envolver os ombros de Dee enquanto ele arqueava as costas para pressionar seu corpo contra a firme armação muscular mais dura do outro garoto.

Dee sorriu com desejo inocente de Ryo e disse-lhe: "Então, eu sou seu." Ele, finalmente, misericordiosamente, cobriu a boca do outro garoto com a sua própria. A barragem finalmente estourou.

Ryo gemeu na boca de Dee quando o outro mergulhou sua língua na caverna à espera e permitiu que suas mãos livres enfaixassem o corpo flexível do loiro. Ele precisava sentir cada centímetro de Ryo e marcar como seu próprio. Seus dedos frenéticos trabalharam os botões problemáticos do camisolão do outro garoto, rasgando-os quando eles se recusaram a ceder.

Por sua parte, Ryo foi consumido pelo aumento da fome de seu corpo, mas ele ainda não sabia como satisfazer a dor dentro de si. Tudo o que sabia era que ele precisava de mais: sentir mais, tocar mais... Seus dedos como garras nas costas nuas de Dee em frustração. Quando o outro rapaz, finalmente se libertou de sua própria camisa e trouxe a pele nua do peito junto, ele suspirou de contentamento e luxuria. Ele nunca se sentiu tão perto de alguém. Ele podia sentir os batimentos cardíacos de Dee contra suas costelas e se deliciava com a proximidade, mas de alguma forma ainda não era suficiente.

O menino de cabelos escuros se alimentou da boca do loiro, o seu controle indo embora, mas ele lutou para segurá-lo. Ryo estava se tornando frenético abaixo dele e Dee sabia que precisava controlá-lo ou então haveria a chance de ele se tornar oprimido pela experiência. Ele sabia que poderia acontecer. Tinha mesmo acontecido com ele na primeira vez que ele permitiu à um outro menino levá-lo. Era fácil se perder no momento, mas as emoções desconhecidas poderiam ser bastante avassaladoras uma vez que você voltasse para si mesmo. Dee não queria que sua primeira vez juntos fosse simplesmente um cumprimento rápido e fugaz de uma necessidade primitiva. Ele queria que fosse muito mais. Especialmente para Ryo. Talvez até para si mesmo. Talvez ele quisesse dar Ryo a experiência que ele nunca teve.

Por alguma razão, ele afastou seus lábios do outro garoto para colocar doces beijos ao longo de sua mandíbula e abaixo ao longo de sua garganta. Quando o loiro começou a lamentar-se e protestar, puxando os fios de cabelos de ébano de Dee, o menino deslizou seus dedos em torno dos pulsos Ryo e segurou-os, forçando-o a cumprir e seu ritmo lento.

Logo a respiração de Ryo, hiper irregular estabilizou e ele se acalmou sob toque habilidoso de Dee. O menino de cabelos escuros moveu lentamente sua língua, dardejando sobre a carne exposta do pescoço de Ryo, então virou a cabeça para mover sua língua acima da clavícula, provocando um suspiro suave do menino debaixo dele. Suas mãos soltaram os pulsos de Ryo, e ele entrelaçou seus dedos com os do loiro antes de beliscar mais duro na garganta do menino.

Ryo suspirou e imediatamente levantou seus quadris para Dee. O garoto de cabelos negros começou a balançar seu corpo contra o dele, mudando de posição para escarranchar entre suas coxas. Olhando para cima através dos fios caídos do cabelo de ébano, Dee viu Ryo enquanto eles se moviam juntos. Os lábios do loiro se separaram, com a cabeça virada para um lado enquanto seus dedos espremiam reflexivamente os de Dee. Na luz escurecida Dee podia ver o brilho das pálpebras meio-loiras dos olhos quando o menino olhou para suas próprias profundezas jade.

"Ryo, você é tão bonito." Dee murmurou, incapaz de ajudar a si mesmo. O outro rapaz parecia um anjo banhado em luar. Um anjo que caiu para ele e agora pertencia a ele.

Só a ele.

Dee empinou seus quadris em um gesto possessivo, moendo sua ereção rígida agora na pélvis do loiro e desenhou um grito assustado daqueles lábios perfeitamente repartidos. Deslizando suas mãos das de Ryo, Dee deixou os dedos circundar cintura do menino, prendendo-o ali enquanto ele deslizou sua boca ainda mais para baixo no peito para abranger um mamilo rosa.

"Dee!" O loiro suspirou alto. Embora soubesse que as paredes eram finas, ele não poderia ajudar a si mesmo. Vagamente, Ryo lembrou que essa era uma das razões porque ele tinha adiado a intimidade com Dee. Não havia como ajudá-lo agora, no entanto.

Felizmente para ele, Dee assumiu o comando da situação, voltando-se para reivindicar os lábios do menino em um beijo consumindo ao substituir a boca com os dedos sobre os mamilos sensíveis de Ryo.

O calor estava construindo entre eles como um fogo lento e constante. Dee não conseguia segurar por mais tempo. Ele precisava tocá-lo. Deixando um lado derivar acima do osso do quadril do loiro, ele escorregou passando dos confinamentos da boxer do menino e pastar na masculinidade inchada de Ryo.

"Uhhh!" Veio um grito abafado de Ryo contra os lábios de Dee quando seus dedos o circularam. O menino de cabelos escuros decidiu que queria vê-lo no clímax e ele começou a trabalhar com cursos longos, requintados.

Quando Dee puxou para trás e começou a bombeá-lo, Ryo abriu os olhos para encontrar o olhar intenso do outro garoto. O conhecimento de que Dee estava tocando tão intimamente fez o loiro instintivamente querer virar a cabeça longe, mas ele descobriu que não podia desviar os olhos daquele olhar esmeralda penetrante. Ele logo descobriu que o olhar inebriante de Dee não só intensificou sua excitação, ele forçou-o a reconhecer a intimidade entre eles. E tudo isso o empurrou para mais perto e mais perto da borda de sua libertação.

Dee observava com olhos famintos como o loiro esguio respondia ao seu toque. Ele acelerou o passo e o menino gritou em êxtase, embora um pouco alto demais. Não querendo desviar seu olhar, o menino de cabelos escuros improvisou uma maneira de silenciar os gemidos de Ryo e chegou até a mão livre para deslizar dois dedos entre os lábios ofegantes de Ryo.

No primeira Ryo parecia inseguro desta intrusão, mas como Dee bombeou seu eixo duro ao ponto de ruptura, seu instinto assumiu e ele trancou os dedos, sugando duro enquanto a sua libertação acertava-o como ondas batendo, inevitavelmente, para a borda. Suas costas se arquearam e Dee bebeu dos olhos de seu amante explodindo em orgasmo.

Um momento depois, Ryo suspirou satisfeito, à deriva no rescaldo brilhante. Mas Dee já estava se preparando para a próxima fase quando ele se despojou, assim como o loiro descontraído de suas roupas restantes. Depois de deslizar os dedos da boca do menino, correu-os através do sêmen liso espalhado no estômago pálido do loiro e deslizou-os provisoriamente para baixo entre as nádegas de Ryo.

Quando o menino não protestou, Dee devagar e com muito cuidado, empurrou um delgado dígito, passando o anel apertado de músculo. Ele ficou aliviado ao sentir os músculos relaxarem contra o seu toque, assim como ele esperava que fosse após o orgasmo feliz de Ryo.

"Dee? O que...?" Ryo murmurou, sua mente ainda em uma névoa, quando sentiu o outro garoto explorando-o. "Nnnuhh!" Ele gemeu na estranhamente doce sensação que a sondagem dos dedos de Dee produzia. O loiro não tinha certeza do que iria acontecer naquela noite, mas em sua imaginação, ele tinha assumido que algo como isto iria machucar mais. Na verdade, ele estava preparado para suportar a dor considerável por causa de estar com o menino que ele amava, mas parecia que ele havia subestimado o prazer que Dee poderia lhe dar.

Quando Dee pressionou mais e enfiou os dedos para pastar contra a próstata do menino, os olhos do loiro abriram e ele mordeu o lábio em um esforço para impedir-se de chorar em voz alta.

Ryo nunca tinha simplesmente sentido nada parecido. Ele empurrou seus quadris para baixo contra a mão de Dee, querendo sentir a sensação mais plena. Embora houvesse agora um pouco de dor ligeira conforme ele se contorcia, não era nada comparado com o prazer afiado que se espalhava por seu corpo sob as mãos capazes de Dee.

O corpo de Ryo se acostumava a ele mais rápido do que ele esperava e Dee empurrou outro dedo nele e bombeou-o delicadamente. Por um momento o corpo do loiro lutou contra ele, então ele relaxou quando Dee despejou beijos prolongados ao longo de sua parte interna das coxas. Quando ele viu que o menino estava crescendo, despertando mais uma vez e começava a empurrar os quadris de bom grado para os dígitos se intrometerem, a paciência restante de Dee foi rachada sob o peso de seu desejo. Ryo estava aberto para ele e Dee necessitava tê-lo. Agora.

Rapidamente, mas cuidadosamente, Dee tirou os dedos e revestiu-se com o sêmen restante do menino e seu próprio pré-sêmen que vazava. Ele se posicionou na entrada de Ryo e rezou para a força de vontade apenas não se chocar contra ele. Centímetro por centímetro excruciante, Dee empurrou sua ereção latejante mais profunda no corpo do loiro e lambeu os lábios em êxtase quando o canal apertado de Ryo cedeu e envolveu o comprimento dele.

"Deus, Ryo!" Ele gritou: "Você se sente tão bom! Tão apertado..." Inclinando para baixo, ele capturou a boca do menino e brutalmente explorou-a com sua língua. Ryo choramingou em troca, seu corpo começou a tremer com o pensamento de estar tão intimamente ligado ao menino de lindos cabelos de ébano acima dele e a promessa de prazer inerente à seu acoplamento.

Dee moveu-se lentamente no início, saboreando cada gota de atrito entre seus corpos luxuriosos presos. Ele queria que durasse para sempre. Ryo suspirou para o ar enquanto sentia o pênis do outro garoto pressionar profundamente dentro de seu corpo, puxando levemente apenas para mergulhar de volta com crescente abandono. O loiro agarrou a ele e levantou as pernas para permitir o acesso de Dee ainda mais profundo. Era como se ele nunca pudesse estar perto o suficiente. Ele queria se dissolver em Dee, tornar-se parte dele. Para Ryo que a tanto tempo se sentia desconectado de tudo e todos em sua vida, desde a perda de seus pais. Nada tinha sido o mesmo e ele nunca tinha sido capaz de realmente se abrir para ninguém, nem mesmo para sua família que o tinha levado até lá. Ninguém até Dee, e agora ele não conseguia o suficiente dele.

"Oh, Deus! Dee!" Ele engasgou, tentando não gritar quando ele realmente quis gritar seu êxtase à plenos pulmões. Dee estava se movendo mais rapidamente agora, mais duro, e Ryo se deliciava com isso, mesmo na dor, porque só enfatizou o quão real o momento entre eles era, e quão intenso.

"Oh, Ryo!" Dee ofegou, colocando seu corpo livre agora e batendo em proposta do corpo do loiro submisso. Tudo sobre o loiro era tão perfeito: suas reações ingênuas, sua ânsia apesar do desconforto que seu corpo certamente deveria estar passando, e, acima de tudo, só porque ele era Ryo. Tudo isso deixou Dee louco de desejo. Ele deslocou-se para ligar os braços sob os joelhos do rapaz, empurrando-os quase até seus ombros antes de sufocar a boca de Ryo com sua própria, mais uma vez para abafar seus gritos de prazer mútuo.

Então ele martelou nele, batendo duro enquanto uma mão livre agarrava o eixo rígido do menino para levá-lo à beira do orgasmo ainda de outro entorpecimento mental. Abaixo dele Ryo estava perdido, inundado de uma felicidade frenética que ameaçava consumi-lo. Alternadamente ele agarrou os cabelos de Dee, suado e emaranhado nos finos lençóis espalhados sobre eles, incapaz de conter-se. Qualquer momento ele ia estourar.

E Dee estava lá com ele. Sua respiração soltou em seu peito, com os olhos fechados enquanto ele tentava afastar seu orgasmo para invadir o maior tempo possível, gozando a tortura requintada. Então, ele inclinou sobre a borda. O conhecimento de que seu pênis estava enterrado dentro de seu amante enquanto ele enterrava-o no colchão com cada impulso foi simplesmente demais para suportar.

Ele nunca tinha se sentiu assim antes... ele...

"Eu te amo, Ryo!" Veio um soluço cerrado de puro êxtase quando Dee derramou na caverna interior de Ryo.

O loiro só poderia suspirar seu nome em resposta a ele lançou sua própria semente entre ambos e as lágrimas brotaram de seus olhos ao ouvir a confissão de seu amante. As próprias lágrimas salgadas de Dee deslizavam por seu rosto e arrastou para baixo no ombro de Ryo, onde ele apoiou a cabeça.

Por vários momentos eles apenas ficaram lá juntos, o órgão flácido do menino de cabelos escuros ainda estava dentro do corpo de Ryo, e a mancha de sêmen do loiro em seus estômagos. Eles não se importavam. Tudo o que importava eram os sentimentos de estar nos braços um do outro e sentir a vibração do batimento cardíaco um contra o outro.

"Eu também te amo, Dee," Ryo finalmente respondeu quando ele puxou sua respiração mais uma vez. Seu sorriso era pura alegria.

Relutante, o outro rapaz saiu dele e roubou uns poucos tecidos de uma caixa nas proximidades, sentindo a necessidade de cuidar de seu novo amante, limpando seu corpo bonito.

Ryo acalmou sua mão e puxou o menino para ele.

"Podemos apenas ficar assim um pouco mais?" Ele sussurrou ansiosamente.

Dee sorriu para ele e beijou-o ternamente.

"Qualquer coisa que você quiser," ele respondeu simplesmente, encostando-se mais.

Dentro de minutos Ryo estava dormindo, seu corpo desgastado pela intensa emoção e prazer. Dee viu suas feições contente à luz desvanecendo até que ele também involuntariamente, adormeceu, seu corpo enrolado sobre o outro garoto num abraço protetor.

Fugazmente, antes do sono levá-lo, a mente de Dee vagou e ele pensou:  O que quer que venha agora, nós vamos estar juntos... não importa o que... Ele segurou o loiro esguio firmemente em seus braços.

Não importa o que venha contra nós...


Continua...






 

2 comentários:

  1. Essa primeira vez deles foi linda, adorei que finalmente aconteceu! obrigada meninos e meninas pela revisão!!

    ResponderExcluir
  2. Nossa que a coisa desandou de vez. rs,rs
    Também achei muito romântica a cena de amor de Dee e do Ryo vamos ver se o casal se aguenta.
    Torço pelo par eles são uns queridos.
    Beijos...
    Aguardo os próximos com expectativa!!!

    ResponderExcluir