4 de jan de 2012

Capítulo Doze

 Um jovem de descendência mista entra em um colégio interno de prestígio na década de 1950. Ajustar a essa nova vida não poderia ser mais difícil do que ele imaginou... Por muitas razões!





 Capítulo Onze




Ryo estava chocado. Sentado na cama, ele cedeu ao seu desespero e chorou abertamente. Ele nunca tinha sentido por ninguém do jeito que ele sentia por Dee. Ele teria feito qualquer coisa para tirar a dor do outro garoto, mas todos os seus esforços pareciam ter sido o oposto de seu efeito pretendido. E agora ele podia ter arruinado as coisas com Dee para sempre.



O loiro nunca havia estado em um relacionamento e, portanto, ele não sabia que os argumentos eram algo que era rotina para qualquer casal. Tudo o que ele sabia no momento era que ele tinha acabado de danificar seu relacionamento com Dee além do  conserto - e ele nem sabia como isso tinha acontecido.



Do outro lado da porta, o menino de cabelos escuros estava ouvindo os soluços de seu amante. Deus, ele realmente poderia ser o maior burro do mundo quando ele queria ser. Ouvir o choro de Ryo levou os seus próprios olhos de esmeralda arder com pesar. O menino tinha querido ajudar. Por que Dee decidiu atirar todas as suas frustrações sobre ele?



Ele ficou lá debatendo o que fazer. Estava quebrando seu coração ouvir os gritos abafados do loiro, mas ele ainda estava cansado e irritado. Ele também estava preocupado que, se ele voltasse para o quarto, ele iria acabar de jogando mais da sua ira sobre o rapaz. A última coisa que queria era ir mais fundo nas feridas que ele já tinha lhe causado. Mas... Ryo soava tão terrivelmente magoado.



Ryo ouviu a maçaneta da sua porta  sendo girada e rapidamente limpou suas lágrimas, esperando que ninguém tivesse acidentalmente o ouvido chorar e viesse investigar. Olhando para cima, ele ficou surpreso ao ver Dee de pé na porta.



"Eu sinto muito", o menino de cabelos escuros disse em voz baixa.



"Dee..." o loiro sussurrou, lágrimas frescas inundando seus olhos na visão dele.



"Oh Ryo!", ele gritou correndo ao seu encontro e ajoelhando-se diante do loir para embrulhar seus braços ao redor dele. "Eu sinto muito... Eu sinto muito", repetiu ele várias vezes, correndo suas mãos confortavelmente sobre o dorso de Ryo e ombros.



Tanto quanto ele estava aliviado que seu amante tinha voltado e o recebeu bem, Ryo também estava perturbado que o outro rapaz tinha jogado a sua raiva sobre ele. Que bateu na própria raiva do loiro.



"Por que você grita comigo, Dee?", ele perguntou entre soluços. "E por que você não me contou sobre seu passado?", ele acrescentou em voz baixa.



"Eu não sei", respondeu Dee, a culpa pela dor de Ryo o consumindo.



"Bem, você deveria saber!" O loiro gritou, mas seu tom não era tão severo já que estava fazendo beicinho.



Dee se recostou e acariciou aos cabelos dourados dos olhos do menino. "Você está certo, amor, eu deveria saber", ele disse baixinho, enxugando uma lágrima perdida na bochecha de Ryo.



O outro rapaz encontrou-se um pouco aplacado pelos termos cativantes de Dee e permitiu - se ficar em seu abraço. As lágrimas de Ryo começaram a diminuir e sua respiração estabeleceu um ritmo equilibrado.



Agora que o loiro tinha se acalmado, Dee descobriu que segurar Ryo em seus braços estava tendo um efeito previsível em sua libido. No entanto, era mais do que isso também. Seu interior ainda se sentia torcido com a culpa e ele queria mostrar a seu amante que ele estava realmente arrependido, e verdadeiramente agradecido pelo seu amor. Ele queria para compensar a angústia que lhe tinha causado e substituí-lo com prazer.



"Ryo", ele sussurrou sensualmente, "deixe-me fazer as pazes com você." Enquanto falava, ele beijou ao longo das bochechas pálidas do rapaz, lambendo as lágrimas restantes até que sua boca, finalmente, encontrou os aqueles dois lábios rosados ​​.



"Dee", o loiro suspirou, sentindo uma enxurrada de desejo, repentinamente correndo por ele, eufórico que seu amante havia retornado para ele e que tudo parecia estar bem. Mais do que tudo, ele quis reafirmar a conexão entre eles agora, então ele deixou o menino de cabelos escuros abaixá-lo lentamente para a cama, nunca deixando de lado seus lábios o tempo todo.



Logo Dee tinha despojado ambos de suas camisas e suas peles aquecidas estavam livres para explorar um ao outro. As mãos de Dee vagaram sobre o torso do loiro livremente e maravilhou-se com as respostas livres e ofegantes do menino. Toda sua timidez inicial tinha desaparecido e o menino de cabelos escuros se revelou nas reações sinceras e honestas de seu amante. E isto alimentou seus próprios desejos também.



Por um momento, Dee parou para beber da visão do outro menino esparramado pelos lençóis, seu pescoço e rosto corado de excitação.  Então Ryo olhou para ele com olhos de pálpebras pesadas e implorou, "Toque-me".



"Oh Ryo..." ele ofegou em resposta e capturou seus lábios em um beijo ardente enquanto ele deslizava as calças do menino com mãos impacientes. Com o corpo de seu amante agora completamente nu, ele começou uma descida dolorosamente lenta pelo seu peito, língua beliscando um mamilo firme antes de se aventurar ainda mais. Então ele beijou cada costela até que o seu caminho o levasse para a linha graciosa dos quadris suaves do loiro. Enquanto seus olhos de jade olhavam para avaliar a resposta de seu amante, ele viu o peito de Ryo subir e descer em respirações aquecidas, seus músculos tensos com antecipação, e seus olhos de ônix encontrando o seu próprio para transmitir toda a confiança e amor que ele sentia correndo em seu coração.



O loiro deixou seus dedos deslizarem através das mechas sedosas, de ébano, enquanto os cabelos dispersos faziam cócegas em seu estômago. A respiração, de repente, presa em sua garganta enquanto as mãos do outro garoto empurravam separadas suas coxas e seus beijos caíram a apenas alguns centímetros de sua masculinidade dolorida. Ele tinha fantasiado sobre afundar seu eixo nos recessos quente da boca de alguém, deslizando-a entre dois lábios macios, mas ele nunca tinha realmente pensado que alguém iria realmente fazer isto nele. Agora, enquanto Dee colocava um beijo provocante sobre a ponta latejante de sua ereção, ele silenciosamente rezava para que o garoto realizasse seu desejo secreto e engolisse.



De alguma forma, Dee quase podia sentir o desejo escondido de Ryo na forma como os dedos do menino brincavam em cabelo, a forma como sua respiração engatava na garganta a cada movimento de seus lábios, e Dee queria arrastar o momento entre eles o maior tempo possível. O menino de cabelos escuros sabia que o suspense pesado somente tornaria o instante de gratificação muito mais intenso, então ele deixou sua respiração acariciar a pele sensível do eixo de Ryo até que ele se contorceu em ânsia. Desejoso de provar o seu parceiro, Dee tomou a ponta de sua língua e prazerosamente trabalhou seu caminho a partir da base do pau duro do rapaz à sua fenda agora chorando.



"Nuhh!" Ryo gritou, levantando seus quadris tão levemente, na tentativa de avançar as ministrações de Dee. Ignorando a demanda, o menino de cabelos escuros repetiu a sua ação e, em seguida, enrolou sua língua para lamber o pré- sêmen gotejante, uma vez que ameaçava cair nos finos cachos loiros adornando a virilha de Ryo.



"Eu acho que você gosta daquilo", disse Dee, e o outro menino podia ouvir o sorriso na voz dele. Ele balançou a cabeça e pediu, "Mais".



Decidindo aceitar o pedido do loiro, Dee lambeu seus lábios e inclinou sua cabeça para tomar tudo de Ryo em sua boca em um movimento rápido.



"Dee!" Ryo gritou num sussurro estrangulado, com medo de gritar mais alto, mas descobrindo que ele queria gritar o seu êxtase no topo de seus pulmões. "Oh Deus..." ele murmurou, contorcendo-se debaixo da boca proposital do seu habilidoso amante. Embora ele não pudesse explicar por que, Ryo sentiu que o prazer oral que o seu parceiro estava dando a ele agora era de alguma forma ainda mais íntima do que ter sexo real com ele. Algo sobre o fato de que era a boca do outro garoto e língua trabalhando em seu pênis duro parecia mais pessoal e mais imediato do que o coito que eles tinham anteriormente compartilhado. E, querido Deus, Dee  era bom no que ele estava fazendo!



Quase bom demais, na verdade. Ryo já estava sentindo seu orgasmo chegando - mais rápido do que ele pensou ser possível. Ele tentou se recompor o suficiente para alertar Dee. Ryo entreabriu seus lábios para lhe dizer, mas assim que ele fez isso, seu clímax rasgou por ele, e tudo o que ele conseguiu foi: "Dee, Eu - uhhh!" antes que ele enviasse sua semente derramando pela garganta abaixo do menino.



Dee, é claro, havia estado bem preparado, reconhecendo os sinais da ascensão do loiro imediatamente e relaxando sua garganta, a fim de bebê-lo. Assistindo o outro menino gritar em êxtase tinha feito coisas perversas em sua própria excitação - para não mencionar a satisfação sensual que ele auferiu da degustação da evidência do poderoso orgasmo de seu amante em sua língua. Foi demais para ele suportar. Ele precisava de Ryo, seriamente - agora.



"Dee", ele ouviu o loiro sussurrar enquanto o menino se contorcia para fora das calças. "Eu sinto muito", disse ele.



"O quê? Por quê?" Dee perguntou em resposta, inclinando-se para olhar nos olhos escuros, vidrados do menino. Todo o tempo o menino de cabelos escuros estava acariciando - se para acalmar a luxúria avassaladora percorrendo seu corpo, numa tentativa de dar a seu parceiro de um momento para se recuperar antes que ele empurrasse ainda mais as coisas.

"Eu - eu não avisei antes que eu gozasse ", disse Ryo timidamente.



Dee sorriu para ele, espantado que o menino pudesse enterrar-se sempre mais e mais profundamente em seu coração com sua honestidade e inocência. "Está ok, bebê. Eu estava pronto", disse ele, depois parou. "Mas agora eu realmente preciso de você, Ryo", ele disse candidamente. Para enfatizar seu ponto, ele acariciou sua ereção tensa contra a virilha do loiro, fazendo com que os olhos de seu amante se alargassem.



"Agora?", ele perguntou, com um olhar um pouco preocupado.



O menino de cabelos escuros continuou a sorrir para a reação dele. "Sim, amor, agora", ele balançou seus quadris sedutoramente, mordendo seu lábio enquanto ele mantinha sua decisão de se mover no ritmo de Ryo. Tanto quanto ele adorava a inocência do rapaz, ele tinha de admitir que ele estava um pouco surpreso com a relutância de Ryo. Era realmente muito estranho ou assustador que ele gostaria de tomá-lo depois de testemunhar o próprio clímax do loiro? Além disso, por que Ryo deveria estar hesitante, quando ele já sabia o que esperar agora?



Quando o outro menino não respondeu, Dee mudou-se para beijá-lo. Ele quis que isto fosse gentil, mas a sensação de boca de seu parceiro, acolhedora e convidativa logo lhe tinha ofegante com a necessidade. Ele reposicionou-se atrás de Ryo, inclinando-se ambos em seus lados, e depois prendendo um braço embaixo da perna do loiro mais próxima a ele para colocar seu amante em um ângulo conveniente.



"Dee, o que - ?" o loiro começou a perguntar, apesar dele  nunca ter acabado quando o outro rapaz trancou sua boca sobre ao curva sensível entre seu pescoço e o ombro, e começou a chupar e beliscar em sua pele.



Quando ele podia sentir o corpo Ryo relaxando em seu toque, Dee rapidamente lambeu sua mão para alcançar e abrigar seu próprio pênis com a umidade e esperava que fosse suficiente. Ele fez uma anotação mental para obter uma lubrificação adequada, mas por agora isto teria de ser suficiente. O menino de cabelos escuros estava pronto para estourar. Cada momento que ele resistia era um exercício de tormento enquanto ele pressionava contra o anel de músculos tensos de seu parceiro. Mais do que qualquer outra coisa na terra, ele queria bater-se naquela entrada apertada, mas ele sabia que o outro rapaz precisaria de tempo para se ajustar ao seu perímetro, por isso ele levou as coisas tão lentamente quanto pôde, quase retirando sangue quando ele mordeu em seu lábio para se manter contido.



Oh, Simmm, ele pensou quando a ponta de seu pênis deslizou para dentro. O gemido suave de protesto de Ryo na invasão ameaçou trazer lágrimas de frustração para os olhos de seu amante. Mal percebendo suas ações, Dee mordiscou o ombro do loiro, ofegando duro enquanto ele pressionava seu membro lentamente, com cautela dentro do corpo inflexível do menino.



"Uhh, Dee! " Ryo gemia em objeção, a mordida dos dentes do outro garoto não exatamente acalmando-o.



Mas Dee estava atingindo seus limites, e quando ouviu o gemido do loiro, ele o confundiu com um grito de prazer. Quase sem pensar, ele empurrou seu comprimento inteiro no bem profundo no menino.



"Ahhh!" Ryo gritou, fazendo caretas.



"Oh, Deus! Ryo, você é tão maravilhoso!" Dee lhe disse sua voz ofegante e sua própria tensão um pouco aplacada pela sensação da passagem apertada do loiro a acariciá-lo.



Ryo conseguiu relaxar um pouco com a doce exclamação do seu amante e quando o outro menino começou a bombear dentro dele com golpes certeiros, firmes, ele sentiu uma emoção correr através de seu corpo. De novo e de novo, Dee pareceu bater naquele lugar mágico dentro dele que enviou um prazer agudo, dirigido através de seu sistema. Isto o surpreendeu que seu parceiro fosse capaz de trazê-lo para semelhante êxtase após ele ter estado com tanta dor apenas momentos antes.



Dee estava agora perdendo-se, sua mente escapando quando sentiu seu amante se abrir para ele. Ryo sentiu-se como muito perto do céu. O menino de cabelos escuros deslizou seu único braço de debaixo da coxa do garoto para agarrar seu tornozelo e levantá-la mais alto no ar de forma que ele fosse capaz de penetrar-lhe ainda mais profunda. Ryo lhe permitiu fazê-lo, sua própria mente à deriva nas ondas de êxtase inundando através dele e ansioso para aceitar tudo o que Dee quisesse lhe dar.



"Oh sim!" Dee exclamou quando ele chocou-se contra o corpo delgado do loiro, sua libertação iminente. "Sim! Ryo!", ele ofegou quando seu orgasmo caiu em cima dele com uma força alucinante. Seu corpo balançou com o seu clímax e ele derramou seu sêmen profundamente dentro de seu amante antes de cair de volta nos lençóis. Ele nem sequer teve a energia para se retirar do corpo do menino enquanto ele ficava lá em êxtase pós-coito.



Ryo, no entanto, se sentindo um pouco rude, moveu-se para deslizar o membro agora flácido de Dee de dentro dele. O loiro tinha descoberto que ele adorava ouvir os gritos e gemidos de prazer de seu parceiro, quase tanto quanto ele gostava de sentir-se excitado. Virando (meio rigidamente) para enfrentar seu amante, ele olhou para o rosto satisfeito do garoto. Ele realmente é tão bonito, Ryo pensou. E ele é todo meu, ele acrescentou para si mesmo, sorrindo.



Percebendo que o menino de cabelos negros tinha escorregado para dormir, ele se instalou confortavelmente ao lado dele. Seu corpo estava desgastado e esgotado não só pelo encontro sexual deles, mas pelos altos e baixos emocionais do dia. Tudo o que ele queria era descansar.



Ironicamente, porém, ele cochilou durante bastante tempo antes que o sono o reivindicasse completamente. Exaltado como ele estava por ter consertado as coisas com Dee, ele começou a ver que o relacionamento deles não seria fácil. Ou melhor, que os relacionamentos em geral, não eram assim tão fácil. Ele estava bem ciente das dificuldades inerentes à amizade, mesmo entre membros da família, mas ele tinha romantizado os laços entre os amantes e negligenciado o fato de que eles não eram imunes às dificuldades encontradas em outros relacionamentos. Embora essa revelação não fosse exatamente bem-vinda, não necessariamente o desencorajava também. Era simplesmente um fato que ele teve que se acostumar.



Além disso, enquanto Ryo era algo de uma pessoa que se preocupava, o menino encontrou sua mente vagando em questões desagradáveis. Ele se perguntou como as coisas iriam acabar com Aaron e se o seu palpite sobre as razões por trás da expulsão do garoto estavam corretas. Ele soltou um longo suspiro e abraçou Dee mais perto dele. Contanto que ele o tivesse, Ryo tinha certeza que ele poderia atravessar qualquer coisa que estivesse por vir. Repetindo isso em sua mente, ele gradualmente adormeceu, sem saber que seus pensamentos estavam em paralelo aqueles de seu amante na noite anterior.





Amanhã traria o que podia...



Internato: Capítulo 13







Depois de sua noite com Ryo, Dee tinha se acalmado um pouco e, embora ele ainda não participasse de todas as suas aulas sem uma surra, sua beligerância tinha sido fortemente controlada. O loiro parecia acalmá-lo, para não mencionar que o sexo quente e suado sempre era uma boa maneira de liberar um pouco a tensão! O menino de cabelos escuros tinha decidido que ele precisava tentar e manter a cabeça fria, se ele realmente estava indo tentar obter Aaron reintegrado. Embora ele odiasse admiti-lo, ele provavelmente iria precisar da ajuda dos outros professores e da administração se ele estava para ter alguma chance de ajudar seu amigo. Em outras palavras, ele percebeu que ele  ia ter que trabalhar dentro do sistema até certo ponto, ao invés de apenas ser expulso dele.



Ryo tinha falado com ele sobre todos estes assuntos naquela manhã e convenceu Dee que a melhor linha de ação não incluía antagonizar todos os professores em resposta à decisão do Conselho de Diretores da escola.



"Se você não pode vencê-los, junte-se a eles, hein?" Dee disse sarcasticamente, levantando uma sobrancelha.



"Bem, não exatamente, mas se Martin está realmente mentindo e eu tenho certeza de que ele está", Ryo acrescentou quando Dee deu-lhe um olhar para a palavra 'se', então o Conselho de Diretores irá querer saber. Mas eles irão querer uma prova e eles não irão ouvir nada do que nós temos a dizer, se nós apenas amaldiçoarmos e gritar com eles, certo?"



O outro rapaz concordou e tentou o resto do dia segurar sua língua... A fim de distrair-se, ele observou seu amante durante todo o dia na escola, admirando sua beleza e  os cenários que atravessam sua mente envolvendo façanhas sexuais ainda inexploradas. Embora os dois rapazes somente tivessem um par de aulas juntos, era o suficiente Dee  terminar o dia. No entanto, suas fantasias eram muitas vezes interrompidas ao perceber a forma como o loiro se contorcia na cadeira de madeira dura, e a maneira como ele se encolhia um pouco cada vez que ele tinha de levantar ou sentar-se. Dee repetiu a noite anterior em sua mente e lembrou-se da estranha relutância de seu parceiro ao ser possuído, e de repente ele percebeu que ele nunca tinha levado em consideração quão dolorido o loiro teria estado após a sua primeira experiência sexual juntos. Ele amaldiçoou-se silenciosamente ao final de sua última aula e foi encontrar o outro rapaz, que geralmente ia direto para a biblioteca após o termino da aula.



Com certeza, assim como um relógio, Dee pensou. Lá estava o seu amante loiro, tímido, sentado em uma mesa entre as pilhas opressivamente altas, olhando sem compromisso para vários livros colocados diante dele.



"Ola, amante," o menino de cabelos escuros sussurrou com uma voz profunda e doce.



Ryo quase pulou da cadeira antes de se virar para olhar o outro menino. "Dee", ele sussurrou, tentando não falar alto, mas sentindo a necessidade de repreender o seu parceiro. "Você me assustou quase até a morte!"



Olhos de esmeralda brilharam maliciosamente sobre a mesa para ele enquanto Dee sentava-se. "Eu não poderia me segurar. Você parecia tão bonito com seus óculos, tão absorto e sério com a sua leitura", disse ele com um sorriso largo.





Ryo corou e olhou em volta deles. "Dee, e se alguém te ouve? ", ele repreendeu, mas não conseguiu manter um sorriso se espalhando em seus lábios no calor das palavras de seu amante.



"Eu não estou falando tão alto", respondeu Dee. Acenando com uma mão para os assentos vazios, ele disse, "Ninguém vem aqui logo após a aula, exceto você mesmo”.



Olhando um pouco mal-humorado, o loiro lhe disse: "Eu estou tentando olhar os detalhes sobre as políticas de expulsão - para você!" Suas últimas palavras foram ditas um pouco com força e provocou um irritado  “shush! " do bibliotecário em serviço.



Dee suprimiu uma risada. "Olha quem esta falando alto agora, hein?", ele provocou.



Quando o outro rapaz fingiu ignorá-lo, Dee voltou -se e sentou ao lado dele.



"Ryo ", disse ele muito suavemente.



O loiro virou-se para ele e olhou para ele por cima dos óculos, dando-lhe um olhar "o que é agora"?



"Obrigado."



"Por quê?" Ryo perguntou.



Dee sorriu, um sorriso gentil e caloroso desta vez, ao invés de seu usual sorriso de lobo. "Por me ajudar muito com tudo isso com Aaron", respondeu ele.



O garoto deu de ombros. "Não é nada", disse ele, voltando para seu livro. Dee parou por um momento. Embora ele genuinamente apreciasse a ajuda de Ryo, ele estava um pouco surpreso que o outro rapaz estivesse tão motivado a trabalhar em nome de Aaron. Claro, Ryo era um cara bom e Dee sabia que ele estaria disposto a dar uma mão, mas seu envolvimento determinado parecia acima e além do que era esperado. O menino de cabelos escuros quis saber exatamente o que estava por trás da atitude do loiro, mas ele não queria questionar seus motivos, pelo menos, não agora. Ele tinha outra coisa em sua mente.



"Ryo ", ele sussurrou novamente.



Seu parceiro colocou o texto com um suspiro que indicava que ele tinha acabado de se resignar não realizar nenhum trabalho real feito na presença de Dee. "Sim, Dee? ", ele perguntou. O loiro ficou surpreso quando o outro menino levantou a mão para seu queixo e seus olhos verdes jade olhavam com uma seriedade súbita.



Então, calmamente, ele disse: "Ontem à noite... ou, bem, na noite anterior eu acho também... eu... te machuquei Ryo?"



Dois olhos de ônix piscaram para ele, bochechas pálidas corando em rosa. "Não me pergunte isso aqui!", ele protestou.



Dee segurou seu queixo obstinadamente e forçou o menino a olhar de volta para seu olhar penetrante. "Diga-me, " ele insistiu.



Ryo estava um pouco irrequieto e pareceu desconfortável, mas finalmente respondeu. "Talvez..." disse ele e acrescentou em um tom quase inaudível, "sim, um pouco”.



Deixando sua mão cair, o menino de cabelos escuros balançou a cabeça. "Eu sinto muito", ele disse suavemente.



"Não, Dee, por favor! Não foi tão ruim assim... e isso não foi tão doloroso, você sabe", disse ele, ficando vermelho até os ouvidos. "Algo disso pareceu... realmente  bom ", ele confessou.



Incapaz de conter-se, o sorriso predatório de Dee automaticamente apareceu em seu rosto com o comentário do loiro, mas no momento seguinte uma ligeira carranca surgiu em seu rosto. "Da próxima vez, Ryo, você tem que me dizer se você está machucado, ok?", ele disse severamente.



Quando o outro rapaz continuou a olhar para o chão, achando o conteúdo da conversa altamente inapropriado para seu entorno, Dee continuou. "Diga-me," o menino de cabelos escuros pressionou. "Prometa-me."



"Eu - eu prometo, eu irei deixar você saber... da próxima vez", o loiro finalmente respondeu, olhando envergonhado.



"Bom", seu parceiro respondeu. "E mais uma coisa", acrescentou Dee uma vez que Ryo tinha pegado seu livro novamente.



"Sim, Dee", ele respondeu, irritado.



"As férias de Natal estão chegando em algumas semanas e, bem, eu sei que você deve ter planos, mas eu me perguntava se você talvez quisesse passar parte dele comigo? ", ele perguntou levemente. Na verdade Dee tinha estado um pouco nervoso em pedir a seu amante para vir ao orfanato, mas ele queria fazer um esforço para ser mais aberto sobre sua vida com Ryo.

O olhar que o menino loiro lhe deu foi inestimável. Seus olhos escuros brilhavam, e seu rosto se iluminou como já fosse manhã de Natal. "Realmente, Dee? Você quer dizer isso?", ele perguntou, sorrindo de orelha a orelha. Ele nunca tinha sido convidado a passar as férias com ninguém desde que ele nunca tinha tido amigos próximos. Ele tinha se acostumado com a falta de convites tanto que ele realmente não tinha pensado sobre a possibilidade de que Dee iria querer que ele o acompanhasse durante as férias.



"É claro que eu quero dizer isso",  Dee disse em uma reprimenda zombeteira, acrescentando: "Baka[1]!" Ryo riu; o menino de cabelos escuros tinha aprendido muitas das poucas palavras japonesas que Ryo deixava escapar quando estavam sozinhos. Normalmente ele não gostava que Dee as usasse em público, mas ele estava muito feliz agora para se importar e à palavra nativa, que significa ' idiota ' tinha, ironicamente, tornado-se uma espécie de carinho entre os dois meninos. Ryo tinha usado tantas vezes com Dee que o outro rapaz finalmente perguntou o que significava e quando ele descobriu, ele deu ao loiro de um olhar desafiador. 'Oh, sim? Dee tinha provocado, enviando ao menino um sorriso mau. "Eu acho que eu irei ter que puni-lo por isso," ele continuou, caminhando na direção dele com uma intenção perversa. "Matte[2]! Espere! Dee! Ryo tinha protestado, rindo enquanto ele alegremente tentava escapar de seu agressor. O menino de olhos verdes tinha-o preso na cama em exatamente cinco segundos, ambos rindo. Dee tinha, naturalmente, aproveitado o momento, mas as coisas não tinham ido longe. Ele ainda estava sob a promessa de não empurrar Ryo mais longe do que ele poderia lidar nesse momento.



Agora Ryo pensou no incidente e um calor doce o encheu por dentro. Embora muitas vezes ele repreendesse Dee por usar suas palavras em japonês muito liberalmente, temendo que ele poderia acidentalmente deixá-las escapar na frente dos outros, Ryo realmente gostava de ouvir sua língua nativa  deslizando da língua de seu amante. Ele sentia como se isto solidificasse um vínculo secreto entre eles que ninguém mais poderia compartilhar. Ryo nunca tinha se sentido tão lindamente e incondicionalmente aceito por qualquer pessoa. Sua tia e tio quase não contavam. Eles eram, afinal, família e a família era de alguma maneira esperada a aceitar você como você era. Mas Dee não tinha a obrigação de incluí-lo com tanta boa vontade em sua vida, mas ele o fez de qualquer maneira. Pela primeira vez, o loiro sabia como era ter alguém para compartilhar piadas secretas, como a chamar um ao outro de ' baka '. Agora, Dee havia pedido a ele para ver onde ele tinha crescido e Ryo não sabia como expressar a gratidão que ele sentia.



"Dee", ele finalmente respondeu. "Eu adoraria ir com você, mas..." sua voz sumiu.



"O quê?" O outro menino perguntou, tentando, sem sucesso, mascarar sua decepção.



"Você ira passar a outra metade das férias comigo na minha casa?", ele perguntou com um sorriso tímido.



Houve uma pausa quando Dee calou-se, surpreso. Ryo era tão auto-consciente sobre seu passado que o menino de cabelos escuros estava genuinamente surpreso que ele lhe permitiria conhecer a sua família. E profundamente tocado.



"Se você não quiser..." Ryo disse baixando a cabeça, interpretando mal o seu silêncio.



O loiro, de repente sentiu duas mãos quentes segurar com a mão em concha seu rosto e os lábios de Dee roçaram um beijo suave, casto sobre sua boca. Ryo estava muito surpreso para protestar e, francamente, pareceu tão caloroso e maravilhoso que ele simplesmente não importava.



"Eu ficaria honrado em visitar a sua casa e conhecer sua família, Ryo," Dee disse suavemente, observando o fluxo de emoções no rosto de seu parceiro.



"Dee", o menino sussurrou, lágrimas pressionando na parte de trás de seus olhos. Ele sabia que estava sendo bobo e sentimental, mas ele se sentia tão ligado a Dee naquele momento, sabendo que ambos estavam dispostos a abrir suas vidas completamente um ao outro. O loiro permitiu a si mesmo pela primeira vez pensar em seu amante como uma parte permanente de seu futuro.

"Meu, Meu! Aproveitar-se de nosso pequeno final, aqui mesmo na biblioteca é um pouco ousado mesmo para você, Laytner“, veio uma voz por trás deles que fez Dee cerrar os dentes.



"Cala essa boca, Berkley", ele sussurrou, tentando não falar muito alto para não chamar a atenção indevida para eles.



"Vamos, Dee", disse Ryo secamente, puxando o outro rapaz pelo braço e fazendo uma retirada precipitada.



Merda, Dee pensou, / Rose apenas tinha que ir e estragar o momento, não tinha? / O menino permitiu que seu parceiro empurrá-lo todo o caminho de volta para seu quarto, fechando a porta atrás de ambos antes que ele dissesse outra palavra.



Sabendo que ele estava, provavelmente, para levar uma bronca sobre ser indiscreto em público, Dee sentou na cama e abaixou sua cabeça, tentando parecer tão arrependido e patético quanto possível. Então, quando ele sentiu o loiro se ajoelhar diante dele e colocar um beijo suave ao longo de sua bochecha, ele estava um pouco chocado. Ele olhou para Ryo, que tinha um sorriso maroto no rosto, obviamente ciente do fato de que Dee não esperava por isso e estava desfrutando de sua surpresa.



"Você não é louco?", perguntou o menino de cabelos negros com os olhos arregalados.



Ryo deu de ombros e se inclinou mais perto. "Eu deveria ser, mas eu não impedi você de me beijar, então eu sou tão culpado", respondeu ele. "Além disso, eu estou muito feliz agora para ficar irritado ou deixar alguém como Berkley arruinar o momento entre nós", ele explicou.



"Amém para isso!" Dee disse exultante não estar em nenhum problema.



"Além disso," o loiro começou em um tom estranhamente sensual, "Eu queria agradecer adequadamente o seu convite para a sua casa para as férias de Natal”.



"Oh serio?" Dee respondeu, sem saber o que tinha acontecido com seu amante, mas mais do que dispostos a continuar a jogar.



"Sim", respondeu Ryo, aproximando-se para passar seus lábios suavemente e provocativamente pela boca do outro garoto. "Mas, você irá ter que me mostrar como", disse ele corajosamente, corando em suas próprias palavras ousadas.



"Ryo, você não precisa fazer nada para me agradecer", disse Dee sério. Embora ele queria desesperadamente  que este jogo continuasse, ele não queria que seu parceiro se obrigasse a fazer qualquer coisa que ele não estava totalmente confortável. Eles tinham tempo depois de tudo, e ele sabia que o menino já estava machucado de sua transa anterior.



Quando o menino de cabelos escuros indicou isso, Ryo balançou a cabeça. "Eu não disse que nós estávamos indo... fazer sexo ", disse ele, corando mais vermelho enquanto ele continuou a falar sobre assuntos tão íntimos. E ainda, o loiro estava descobrindo que isto lhe dava um pouco de emoção por ser tão aberto. A ideia de ser "malcriado", para sua surpresa, era extremamente excitante.



Dee observou com espanto enquanto seu amante, normalmente tímido passava as mãos pela parte interna de suas coxas sugestivamente. "Eu quero dar prazer a você do jeito que você fez comigo ontem à noite... quando você me levou em sua boca", disse ele em voz baixa, incapaz de acreditar que ele estava realmente falando sobre essas coisas.



Seu amante observava enquanto o loiro falava: como as bochechas do menino ficavam coradas em vermelho em suas próprias palavras, como suas mãos de repente pareciam quentes contra suas coxas vestidas, e ele sorriu, sabendo que Ryo estava permitindo-se explorar a sua própria sexualidade e poder sexual. Ele tinha esperado que o menino estivesse mais confortável com tais questões, uma vez que eles haviam se tornado íntimos, e parecia que ele estava certo. Dee sabia que era importante agora deixar o loiro tomar as rédeas, por assim dizer, e deixá-lo aprender a expressar-se, mas o menino de cabelos escuros sabia que ele ia ser duramente pressionado para se conter. A visão de seu amante tipicamente tímido pairando sobre sua virilha, agora inchada e olhando para ele com um olhar sexy, de pálpebras pesadas e cheio de luxúria era quase o suficiente para mandá-lo disparar sua carga aqui e agora. Ele tomou pequenas respirações profundas e se inclinou

"Então eu vou lhe mostrar", disse ele.



Ryo deu um sorriso maroto pouco enquanto Dee deslizava para trás e ele se arrastava sobre ele em suas mãos e joelhos, sentindo-se subitamente poderoso. "Diga-me o que quer", disse ele em uma voz rouca, que tremia ligeiramente, traindo o nervosismo que corria debaixo de sua confiança crescente. O loiro estava ansioso para agradar o seu amante, tanto quanto Dee tinha feito com ele e ele pensou que seria capaz de fazê-lo, mas ele ainda estava um pouco inseguro de si mesmo.



Dee suprimiu um gemido nas palavras eróticas de seu amante loiro. Sustentando sua cabeça com um travesseiro, ele colocou seus braços ao seu lado, enrijecendo-se com moderação e então disse suavemente, "Tire a minha camisa".



Enquanto ele obedecia, Ryo teve que admitir que estava contente  por seu parceiro ter escolhido começar devagar já que ele ainda estava tentando acalmar seus nervos. O loiro jogou de lado a gravata de Dee e começou a trabalhar os botões de sua camisa com dedos trêmulos.



Olhos verdes cheios de paixão, o garoto de cabelos negros observava cada botão lentamente deslizar livre de seus limites e ele engoliu em seco, querendo nada mais do que agarrar o menino menor e o violentar até que ele gritasse. Mas esta era o momento de Ryo, lembrou-se, mordendo o lábio quando os dedos do menino inadvertidamente roçaram a pele sensível do seu peito. Deixando de lado o nevoeiro inebriante da luxúria à deriva por sua mente, Dee percebeu que o outro rapaz estava tendo problemas com um botão teimoso, seus dedos escorregando em seu estado de agitação. Ele deslizou suas mãos ao redor da mão de Ryo e acalmou-os, sussurrando, "Beije me".



Inclinando-se para baixo, o loiro obedeceu. Dee deixou suas mãos acariciarem as bochechas pálidas do menino, gentilmente rastreando para baixo pela linha do seu queixo até sua garganta quando ele assumiu o controle do beijo. Sua boca experiente se movia lentamente e sedutoramente contra a do Ryo, coagindo seus lábios para abrir para que ele pudesse deslizar sua língua dentro e entrelaçar-se ao redor do outro menino. Ele continuou a acariciar e deslizar suas línguas juntas, alternativamente comendo delicadamente seus lábios até que o loiro estava pronto para derreter em seu corpo, um pequeno gemido ecoando no fundo da sua garganta.

Enquanto Ryo estava distraído, Dee terminou desabotoando o resto de sua camisa e encolheu os ombros. Uma vez que ele podia sentir os nervos do rapaz flutuar sob seu ataque doce, ele puxou de volta. "Toque me", ele ordenou em voz baixa, levando a mão de Ryo até a protuberância dolorida no ápice de suas coxas.



O loiro ofegou na excitação aquecida quando ele sentiu quão ingurgitado e duro seu parceiro tinha se tornado. Sua mão instintivamente começou a acariciá-lo através do tecido áspero das calças fornecidas pela escola. O toque inocente do menino enviou Dee cambaleando. Ele agarrou os lençóis sob seu corpo e gentilmente balançou seus quadris ao ritmo Ryo tinha definido.  A respiração de ambos estava ficando pesada e trabalhosa, e Dee sabia que as coisas teriam de adiantar um pouco mais rápido ou ele estava indo sujar seu uniforme. O menino que tinha sempre tido orgulho de sua resistência encontrou-se irremediavelmente, e profundamente excitado além da crença nos movimentos inexperientes e ainda eróticos de seu parceiro.



Felizmente, Ryo moveu-se para desatar o cinto de Dee. Por um segundo ele hesitou, não tenho certeza se ele devia arrastar o momento um pouco mais, mas sua pergunta foi respondida quando o menino de cabelos escuros movimentou seus quadris com impaciência e implorou: "Por favor, Ryo"!



Maravilhado com o poder que ele parecia ter mais sobre seu amante, Ryo se tornou mais e mais confiante. Escorregando o cinto, ele arrancou e deslizou as calças do garoto para fora, então, lentamente, puxou para baixo sua cueca samba canção até que ele estava completamente nu. Ele bebeu diante do corpo de seu parceiro estendido em toda sua glória debaixo dele. Os músculos tonificados do seu peito e barriga, os músculos em feixes de suas coxas... e a ereção grande enquanto permanecia orgulhosamente na junção sensualmente curva dos dois ossos do quadril. Ryo percebeu que ele realmente nunca tinha visto o corpo de seu amante sob inspeção tão estreita antes e seus olhos arregalaram ao pensar que ele tinha sido capaz de aceitar o membro bastante grande de Dee em seu próprio corpo. Enquanto sua mente vagava de volta para a intimidade que eles tinham compartilhado, com sua mão automaticamente moveu entre suas pernas para acariciar-se através de suas calças antes de descer para descansar nos seus cotovelos, posicionando-se acima de ereção agora gotejante de Dee.



O menino de cabelos escuros estava apto a explodir. "Ryo", ele choramingou: "Eu preciso de você, por favor." Então, antes que o menino pudesse pedir apenas o que ele queria, Dee exigiu, "Lamba- me"!



Alimentado por sua própria excitação crescente, o loiro corajosamente estendeu sua língua e a arrastou pelo comprimento do eixo de Dee, degustando seu pré-sêmen quando ele chegou na fenda vazando. Ele fez uma pausa para considerar o sabor, em seguida, sentiu as mãos de o outro garoto chegar para enrolar-se em seus cabelos, puxando-o para baixo mais uma vez. Ryo concordou, lambendo seu comprimento, mais uma vez e hesitantemente sugando a ponta, o que fez Dee levantar seus quadris e sugar sua respiração acentuadamente.



"Oh sim!", ele suspirou. "Por favor, faça isso de novo!"



Um daqueles sorrisos safados agraciou os lábios do loiro e ele balançou sua língua por toda a cabeça do pau do seu parceiro antes de sugá-lo novamente, desta vez levando-o mais profundo em sua boca quente. Ele estava começando a apreciar a forma como o corpo de Dee se contorcia e torcia sob sua atenção e ele experimentou com sua técnica, deslizando sua boca lateralmente ao longo do eixo do menino para permitir que seus lábios molhados arrastassem sensualmente sobre a pele sensibilizada.



"Ahh! Foda-se sim!" veio o grunhido de satisfação de Dee, seus dedos puxando os cachos louros do menino.



Não foram apenas os métodos surpreendentemente eficazes do menino que estavam dirigindo Dee louco, também. Simplesmente saber que o Ryo reservado e tranquilo teria estado agradando-o tão lindamente fez toda a experiência incrivelmente erótica. Ele não ia durar muito tempo, a este ritmo.



Incentivados pelos gritos de excitação de Dee, Ryo trouxe uma mão para acariciar seu parceiro e ajustá-lo para que ele pudesse lamber e chupar ao longo de seu pau em vários ângulos. Então ele olhou para os testículos do menino e perguntou se ele deveria tocá-los também. Movendo-se para baixo, ele lambeu um saco enquanto ele bombeava a ereção do menino e ganhou um perplexo, "Oh Deus!" de seu amante.



Dee estava agora bombeando seus quadris para cima e para baixo em impulsos animalescos, incapaz de conter a si mesmo. Quando ele sentiu o outro garoto explorar seu saco, isto quase o levou ao longo da borda, mas ele mordeu seu lábiocom força  para obrigá-lo a voltar atrás. Ele queria sentir a boca quente do rapaz tomá-lo todo ele primeiro.



"Por favor, Ryo, chupe-me!", ele suplicou. Ryo, ainda ávido para agradar e adorando os gritos lamentosos de seu parceiro, levantou-o e baixou sua boca bem devagar, no pênis de Dee até que, finalmente, ele tocou o punho. O menino de cabelos escuros estava congelado em êxtase enquanto o calor do loiro o envolvia.



A princípio, Ryo quase engasgou quando o amplo pênis do menino tocou a parte de trás de sua garganta. Ele se afastou e então começou um ritmo constante, levando-o dentro e fora de sua caverna quente o melhor que ele pôde, enquanto ele se ajustava a sua circunferência e comprimento. As mãos de Dee apertaram ao redor da cabeça de Ryo e ele sentiu o menino começar a mover seus quadris em sincronia com seus movimentos. Embora sua mandíbula começasse a doer, o momento estava muito sobrecarregado com a excitação e a necessidade dele de parar. Ele sentiu o corpo inteiro de Dee endurecer quando os primeiros sinais de seu orgasmo rodaram dentro dele e Ryo sentiu-se tão intimamente ligado a ele que ele compartilhou a emoção e quase sentiu como se fosse seu próprio clímax que estava iminente.



Mesmo assim, Ryo subestimou a excitação lasciva do menino uma vez que ele tinha atingido o ponto de não retorno. Dee completamente perdeu a si mesmo na doçura dos lábios do seu parceiro envolvido ao redor dele e, na névoa de seu orgasmo iminente, ele agarrou a cabeça do Ryo com firmeza e começou a fodê-lo com a boca por tudo que ele valia. Ryo estava um pouco surpreendido com a violência com que seu parceiro o tomava, mas ele relaxou sua garganta e sentiu-se tremer ao pensar que ele tinha sido capaz de dar a Dee semelhante prazer carnal. Foi um dos momentos mais eróticos de sua vida.



No entanto, quando ele provou o primeiro jorro de porra, o loiro entrou em pânico, com medo da força do clímax de seu amante e de possivelmente engasgar com o líquido se isso fosse forçado pela sua garganta. Dee, seu corpo destroçado com o orgasmo poderoso, tremulo, observou enquanto seu amante empurrava sua cabeça para trás apenas a tempo de pegar um arco de sêmen em seus lábios. A visão só intensificou a força esmagadora de seu clímax e seu corpo teve um espasmo em êxtase.  

Ryo observou seu amante dar um suspiro satisfeito enquanto seu corpo relaxava de volta para os lençóis. Ele pegou um lenço de papel para limpar sua boca e queixo antes de Dee puxá-lo contra seu corpo.



"Aquilo foi... espetacular", ele disse com um sorriso bobo, fazendo Ryo rir.



Uma mão estendeu para escovar os fios emaranhados do rosto do loiro enquanto os olhos de esmeralda olhavam para ele com todo o amor que ele sentia. Então ele lhe disse: "Eu amo você, Ryo."



"Eu também te amo, Dee", ele respondeu simplesmente, descansando sua cabeça sobre o peito do jovem, ouvindo seu batimento cardíaco cair em um ritmo constante.



O sol estava se pondo e logo o sino do jantar iria tocar, mas por agora só havia os dois no mundo. Seus lábios se encontraram em um beijo quente que fez Dee ciente do fato de que seu parceiro ainda estava completamente excitado.



"O que é isso?", ele disse provocativamente, escorregando uma mão para baixo para pegar com a mão em concha a ereção do menino.



"Dee..." Ryo ofegou em voz baixa: "O jantar será em breve..."



"Então é melhor nós fazermos isso rápido", ele respondeu com um largo sorriso, deslizando sua mão para dentro das calças do loiro.



"Você não tem jeito", o outro menino disse-lhe, mas ele sorriu e pressionou-se ainda mais no domínio do menino de cabelos escuros.



"Olha, quem esta falando", ele retrucou e capturou sua boca.



Uma hora depois eles fizeram isso bem a tempo da refeição da noite. Drake olhou para ambos (e para seus rostos brilhantes ) com suspeita, sentindo-se de alguma forma negligenciado.



As próximas duas semanas passaram rapidamente e os professores admiraram-se com o comportamento de Dee ter melhorado muito. Ele e Ryo confirmaram os planos de férias com suas correspondentes famílias e esperaram com impaciência para o último dia de aulas.



Cada menino secretamente planejava o que dar ao outro e aguardavam pelo feriado e pela promessa de Ano Novo por vir. Eles não tinham nenhuma idéia das mudanças reservadas para eles.






Continua...

[1] Em Japonês: significa bobo, idiota
[2] Em Japonês: corresponde ao verbo esperar


Um comentário:

  1. Bem este cap. fez arder meu Pc. rs,rs
    Adorei o desenrolar rs,rs
    Acho que é desta que o Ryo se vai dar conta que é o mundo de Dee ou vai morrer tentando.rs,rs
    Continuo com pena de Aaron vamos ver se é no próximo cap. que ficamos a saber o que realmente aconteceu.
    Ou se os nossos meninos se esforçaram tanto que vão ganhar aulas extras e colocar a perder tudo o que investiram,até mesmo sacrificar as férias de Natal. Snif Snif
    Beijos...
    Boa Leitura!!!

    ResponderExcluir