4 de jan de 2012

Capítulo Onze

 Um jovem de descendência mista entra em um colégio interno de prestígio na década de 1950. Ajustar a essa nova vida não poderia ser mais difícil do que ele imaginou... Por muitas razões!


 Capítulo Dez

 
O resto do dia depois que Aaron partiu foi um dos piores que Dee podia se lembrar. Ele estava de mau humor e apesar de sua promessa de não entrar em qualquer confusão, ele não poderia deixar de ajudar exceto expressar-se na sala de aula do Sr. Martin. O incomodava que seu professor era a causa da expulsão de Aaron. Ele não podia simplesmente sentar e fingir que nada tinha acontecido, mas os seus comentários sarcásticos durante a aula lhe custaram oito lambidas na frente de todos os seus pares. Isso não melhorou seu humor, e ele recebeu mais golpes da palmatória em várias outras aulas por causa de sua beligerância. 
 
Naquela noite, ele não queria nada mais do que se enroscar nos braços à espera de Ryo e esquecer todos os seus problemas, mas seu temperamento não iria acalmar e os dois rapazes acabaram discutindo. Dee havia estado, caminhando pelo quarto de Ryo, os braços cruzados completamente irritado pelos eventos do dia, e Ryo tentou em vão acalmá-lo.
"Dee, por favor, por que você não se senta e tenta relaxar", perguntou o loiro, preocupado com o estado de agitação de seu amante.
"Eu não posso relaxar, maldição!" Ele quase gritou, mas ele suspirou e se sentou na cama ao lado do outro menino. Ryo o viu estremecer quando ele se sentou, o traseiro machucado do menino que protestando contra a pressão. Imediatamente, o loiro estendeu uma mão para esfregar as costas do garoto de cabelos escuros, tentando colocar sua mente à vontade.
"Eu sei que você está com raiva, mas isso não vai ajudar a questão apenas o colocará em apuros se continuar irritando os professores", Ryo disse a ele. Ele estava preocupado que Dee iria continuar com seu comportamento desafiador em sala de aula e ter uma bunda perpetuamente dolorida, ou então, eventualmente, conseguir ser expulso, apesar de sua promessa. Ele não sabia o que ele faria se Dee o deixasse. Embora Ryo percebesse que não conhecia Dee tão bem quanto ele teria desejado, ele ainda não poderia imaginar estar  sem ele.
Mas suas palavras, alimentadas pela preocupação, nada fez para acalmar a ira de Dee.
"O que eu devo fazer?" Dee perguntou amargamente. "Eu não posso suportá-lo, Ryo!", disse ele em tom agonizante. "Eu conheço Aaron por todo o sempre e eu sempre o protegi... agora eu falhei com ele!" ele cuspiu para fora, enterrando o rosto em suas mãos.
O loiro continuou a esfregar suas costas em círculos suaves, sem saber o que dizer.  A conexão de Dee com Aaron era uma fonte de ciúme para Ryo, mesmo que ele soubesse que não deveria ser, embora ele soubesse que Dee estava apaixonado por ele e nunca pensou em Aaron daquela forma. Não importava. Ele ainda não conseguia controlar a pontada de dor em seu coração quando seu amante falou de querer proteger o outro menino tão veementemente. Aquilo certamente falava de uma conexão entre eles? Por mais que ele tentasse ignorá-la, Ryo sabia que havia algo de especial sobre o fato de que os dois rapazes haviam crescido juntos. Foi uma experiência que ele nunca poderia partilhar com o menino de cabelos escuros. Ele nunca saberia como foi a sua infância e ele desejava agora mais do que nunca que Dee iria, pelo menos, dizer-lhe sobre isso. Novamente isto o consumia que seu amante parecia indisposto a divulgar o seu passado.
Mas Ryo tentou engolir tudo isto para baixo. Dee precisava dele agora para apoio, não julgamento ou ciúme.
"Eu tenho que descobrir o que realmente aconteceu", disse o menino de cabelos escuros com convicção. "Eu sei que Aaron não estava me contando tudo", disse ele olhando para Ryo, que acenou com a cabeça em concordância. "Você pensa assim também?", ele perguntou.
O loiro suspirou. "Sim, ele apenas... Eu não sei como colocá-lo, mas ele parecia com medo de que algum segredo seria descoberto se ele tentasse lutar contra as acusações contra ele", fez uma pausa. "Eu posso relatar", ele disse suavemente.
Dee viu a cabeça do garoto cair e alguma da sua ira se afastou. Aaron não era a única pessoa que ele queria proteger.
"Ryo", ele falou num tom calmo, erguendo o queixo para que os olhos de ônix do menino fossem forçados a enfrentar os seus. "Ninguém vai descobrir sobre sua herança, mas mesmo se eles fizessem, eu não acho que seria tão ruim quanto você imagina", disse ele.
O outro rapaz queria acreditar nele, mas ele tinha passado por muita coisa para pensar que os meninos Americanos de classe média nesta escola iriam ignorar o sangue japonês nas suas veias. No entanto, pelo amor de Dee, ele simplesmente balançou a cabeça em concordância.
Ele imaginava agora se as coisas com Aaron realmente estavam melhor deixando inexplorados. Se seu palpite estava certo, então talvez fizesse mais mal do que bem aprofundar o assunto.
"Talvez você devesse deixar o assunto com Aaron morrer", Ryo disse calmamente.
De repente, o menino estava de pé, afastando a mão do loiro. "Como você pode dizer isso?"
"Dee..." Ryo sussurrou, surpreso com a força de reação do menino e mais do que um pouco magoado por isto." Eu só quero dizer, talvez ele irá ficar feliz em estar em casa e, bem... eu tenho freqüentado escolas públicas. Elas não são tão ruins assim ", disse ele, tentando se explicar.
No entanto, Dee só tornou-se mais irritado. "Você não entendeu Ryo!", Ele gritou para ele. "Aaron não tem qualquer família para voltar! Ele é um órfão - como eu! ", ele gritou, apertando sua mão em seu peito.
Por um momento, Ryo simplesmente olhou para ele com surpresa. Por que não Dee lhe disse isso? Além disso, o feriu duro que Dee tivesse usado a frase ' como eu ', como se Ryo não sabia o que era crescer sem quaisquer pais. Seu coração doeu que o menino de cabelos escuros parecia estar excluindo-o de suas experiências, que de alguma forma eles não poderiam ser os mesmos por causa da diferença em suas origens. Ele engoliu em seco, lutando contra a massa formando em sua garganta.
"Eu não sabia. Você nunca disse nada, Dee," ele respondeu suavemente, com a voz vacilante traindo sua dor.
Dee viu o olhar de dor cruzar o rosto do outro garoto e amaldiçoou a si mesmo. Ele tinha querido contar para dizer Ryo mais sobre si mesmo. No início ele não queria minimizar passado doloroso do loiro, trazendo o seu próprio e depois... bem, mais tarde, ele tinha acabado por esquecer. Agora ele estava frustrado por si mesmo e isso só aumentou sua raiva mais.
"Apenas duas crianças a cada ano conseguem uma bolsa aqui do nosso orfanato e se você conseguir ser chutado para fora, bem, é o fim, Ryo – nenhuma segunda chance!", Disse ele amargamente.
"Mas" Ryo começou, ainda tentando convencer o outro menino que tudo ficaria bem.
Dee o cortou, com um gesto de sua mão. Suas emoções estavam muito desgastas com os acontecimentos das últimas 24 horas. A justaposição de sua primeira noite feliz com Ryo contra a expulsão súbita e inexplicável de Aaron era demais. Agora as visões persistentemente otimistas do loiro eram apenas, a última coisa que o menino de cabelos escuros queria ouvir. O que ele precisava era de validação da gravidade e injustiça da situação, e que ele ficou bastante irritado com o fato de que seu novo amante não parecia compreendê-lo. Ele estava ainda mais irritado consigo mesmo por ter isso em Ryo quando o menino estava realmente só tentando o seu melhor para ajudar.

De repente, Dee sentiu-se indigno das afeições de Ryo. Ele nunca foi bom em lidar com sua raiva e ele sabia que estava descontando no loiro, mas ele não conseguia conter-se. Quando o menino sussurrou seu nome e chegou para ele, Dee virou para longe.
"Eu não quero sua piedade!", ele disse em um tom furioso.
"Dee, aquilo não é -!" Ryo começou, mas o menino de cabelos escuros já caminhava pela porta.
Ryo estava chocado.
Continua...

Um comentário:

  1. Meninas neste capítulo me deu vontade de esganar o Dee.rs,rs Ele deve de pensar que o mundo gira ao redor dele. rs,rs
    Mas fiquei feliz que ele teve um momento de bom censo.rs,rs
    Já vou para o próximo cap.
    Beijos...
    Boa Leitura!!!

    ResponderExcluir